Devir Educom participa de debate virtual do projeto de Educação de Jovens e Adultos (EJA) de Santos

Gestora do Instituto fala da escola na pandemia e no combate às fakenews



O Instituto Devir Educom marcou presença importante no encontro virtual chamado “Como consumir notícias de forma responsável e identificar fakenews”, que aconteceu nesta sexta (26) nos canais do Facebook e Youtube da Conecta Seja, espaço reservado ao projeto de Educação de Jovens e Adultos (EJA) de Santos. O tema do evento abriu a temporada 2021 das lives que acontecem regularmente.


A gestora do Devir Educom e idealizadora do projeto Memórias em Rede, professora Andressa Luzirão, esteve entre os convidados. Com ela participaram a jornalista da Diretoria de Comunicação da Prefeitura de Santos, Maria Estela Galvão, e o jornalista da CNN Brasil, Phelipe Siani. Mediaram o debate a chefe da Seção de Educação de Jovens e Adultos (SEJA), Patrícia Oliveira Santos, e o professor de Ciências, José Simões de Andrade, ambos da Secretaria de Educação de Santos (Seduc).


A discussão teve como pano de fundo pandemia e fakenews. A ressignificação da escola, com a reinvenção de professores e adaptação de alunos, frente às consequências do coronavírus, foi contextualizada na fala de Andressa Luzirão no âmbito do Memórias em Rede. Em seus propósitos, tanto para a educação formal quanto à não-formal, o projeto visa o desenvolvimento de atividades dentro e fora dos muros da escola, com vistas à valorização do território, integrando-o à escola e à família. “Em momentos como esse, em que se discute o ensino híbrido, considerar esses espaços é fundamental”, destacou.


Em relação às fakenews, a jornalista Maria Estela comentou sobre as ações da Prefeitura em seus canais para combater à disseminação da desinformação, fornecendo fontes confiáveis e orientando o cidadão quanto à checagem das notícias recebidas antes de tomar qualquer decisão, principalmente em se tratando de vacinas. Nesse sentido, Phelipe Siani lembrou que no jornalismo, o que não for apurado e checado não pode ser divulgado. A gestora do Instituto Devir Educom e educomunicadora do projeto Memórias em Rede destacou que “essa prática de checagem da informação deve vir desde a escola básica” e, nesse sentido, o jornalismo é um parceiro importante da escola, independentemente da área de atuação do professor. “Os princípios do jornalismo, como a checagem da informação e apuração dos fatos, quando submetidas à prática de crianças e jovens, contribuem muito para que eles não consumam qualquer conteúdo recebido”. Vale lembrar que o Memórias em Rede desenvolve junto aos alunos da escola básica a valorização da memória por meio de atividades jornalísticas.


Os debatedores orientaram também quanto à forma de checagem de notícias e até informaram sobre instituições que auxiliam no combate e prevenção a conteúdos duvidosos, como é o caso da Rede Nacional de Combate à Desinformação (RNCD), uma instituição com mais de 90 parceiros, entre instituições como o Devir Educom, outras específicas do tema, além de pesquisadores, cientistas e universidades de todo o país.


Veja o vídeo:



8 visualizações0 comentário